Atriz diz que produtor se esfregou e tentou tirar a roupa diante dela em um hotel. Ela também diz que foi estuprada aos 16 anos por ator de 20, e culpa Tarantino por acidente em set de 'Kill Bill'.

Uma Turman acusou o produtor Harvey Weinstein de assédio sexual em um texto publicado pelo jornal "The New York Times" neste sábado (3). A atriz trabalhou com ele em dois dos seus projetos mais conhecidos, "Pulp Fiction" e "Kill Bill".

Thurman diz ao jornal que Harvey a chamou para sua suíte no Savoy Hotel em Londres. A atriz conta que, de repente, ele começou a se esfregar nela e tentou tirar a roupa diante dela. Thurman diz que começou a gritar.

No dia seguinte, recebeu um buquê de rosas de Weinstein como desculpa, e aceitou subir até seu quarto do Savoy, onde a atriz lhe disse:

"Se fizer com outras pessoas o que fez comigo, você perderá sua carreira, sua reputação e sua família, eu te prometo".

Reflexão sobre outras vítimas

Thurman reconheceu sentir-se "muito mal" pelas que foram atacadas depois dela.

"Eu fui uma das razões pela qual uma jovem mulher pôde entrar sozinha em seu quarto, da forma que eu fiz", acrescentou a atriz.

"Todos estes cordeiros (as mulheres atacadas) acabaram no matadouro porque estavam convencidos que ninguém que alcança essa posição (como Weinstein) faria algo ilegal contra você", concluiu.

'Uma Thurman está com raiva'

Ela já havia criticado Weinstein na época em que surgiram as primeiras acusações sobre ele, mas disse que esperaria o momento certo para detalhar sua história.

O longo artigo publicado neste sábado se chama "É por isso que Uma Thurman está com raiva". Ela comenta, além do assédio de Weinstein, um caso de estupro na adolescência e um desentendimento com o diretor Quentin Tarantino.

O caso de assédio relatado por Thurman é semelhante ao de diversas atrizes que dizem ter sido atacadas pelo produtor em suítes de hotel. Atrizes como Gwyneth Paltrow, Angelina Jolie, Rosanna Arquete e Salma Hayek já o acusaram.

Antes das denúncias, Harvey Weinstein era um dos mais poderosos produtores de cinema de Hollywood. Ele é investigado pela polícia de Londres, Nova York e Los Angeles.

Estupro aos 16 anos

No depoimento ao "New York Times", Uma Thurman também conta que, quando tinha 16 anos, foi estuprada por um ator que tinha 20 anos, em Nova York.

Ela não identifica o homem e diz que não denunciou o caso na época. "A partir daí, acho que fiquei menos tolerante a este tipo de coisa", diz a atriz.

Briga com Quentin Tarantino

Uma Thurman também comenta no artigo sua briga com o diretor Quentin Tarantino. Ele dirigiu "Pulp Fiction" e os dois longas "Kill Bill".

Ela diz que o diretor a forçou a fazer uma cena em um carro em uma condição que ela sabia ser insegura. A atriz sofreu um acidente durante a filmagem. Um vídeo que mostra o acidente foi revelado pela primeira vez no artigo do "New York Times" (clique para ler e assistir).


Siga-nos