Fernando Marangoni renunciou ao cargo na Prefeitura em maio de 2017, depois de ser preso na Operação 'Isonomia', suspeito de corrupção.

O ex-prefeito de Perdizes, Fernando Marangoni (PSDB), teve o pedido de suspensão de renúncia indeferido em segunda instância pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Fernando renunciou o cargo no Executivo em maio de 2017, após ser preso na Operação "Isonomia" do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), suspeito de crimes de corrupção.

A reportagem tentou contato com o advogado do ex-prefeito, mas as ligações não foram atendidas.

De acordo com a decisão publicada pelo TJMG no dia 5 deste mês, a Justiça alega que não á nos autos, comprovação de que o ato da renúncia tenha ocorrido mediante coação.

Ainda segundo justificava do tribunal, a renúncia é um ato unilateral que começa a produzir efeitos após a assinatura.

Pedido de anulação

A defesa do ex-prefeito de Perdizes, Fernando Marangoni (PSDB), entrou com um mandado de segurança pedindo a anulação da renúncia ao TJMG em julho de 2017.

Em setembro, Fernando reassumiu o cargo administrativo após uma reunião extraordinária na Câmara Municipal. Entretanto, no mesmo mês, ele foi afastado por recomendação do Ministério Público- pedido que foi acatado pelo Tribunal de Justiça.

Operação 'Isonomia'

A prisão que motivou o pedido de renúncia do Prefeito ocorreu durante o cumprimento de mandados da Operação "Isonomia", desencadeada pelo MPE por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Uberlândia e da Coordenadoria Regional das Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Público.

A investigação apurou a contratação irregular de um escritório de advocacia situado em Uberlândia para prestação de serviços de compensação de créditos tributários a prefeituras do Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba e Noroeste de Minas nos anos de 2015 e 2016.

Os mandados foram cumpridos dia 23 de maio em Uberlândia, Canápolis, Carmo do Paranaíba e Presidente Olegário. Ao todo, foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão e um mandado de condução coercitiva.


Mais Lidos

Publicidades