1º Encontro de Bombeiras Militares terá ainda palestras sobre saúde e assédio moral e sexual no ambiente de trabalho. Cerca de 360 mulheres são aguardadas na programação.

Mulheres militares no Corpo de Bombeiros no Amapá vão se reunir na quinta-feira (22) e na sexta-feira (23), em Macapá, para debaterem sobre temas que podem afetar o cotidiano da mulher na corporação, ligadas à saúde mental e assédio moral e sexual.

Os debates fazem parte do 1º Encontro de Bombeiras Militares, que aborda assuntos relacionados à realidade na profissão e a conquista de mais espaço nos quartéis. O evento será na sede do Sebrae.

Uma representante de cada instituição de segurança pública e das instituições ligadas à rede de proteção à mulher no estado foram convidadas para a programação.

Atualmente a corporação tem 359 mulheres que atuam no Amapá, que representa 32% do efetivo total, segundo a coronel Karina Homobono. Ela destaca que a ideia do evento surgiu a partir do Comitê Nacional de Bombeiras, que pretende debater essas temáticas em todo o Brasil.

?Tivemos um encontro nacional em 2017, e lá vimos a necessidade das bombeiras amapaenses também terem um espaço local para levantar nossa realidade. Nossos palestrantes falarão sobre a importância de cuidados com a saúde da mulher, além de ouvir sobre o assédio moral e sexual presente na vida delas, e oferecer toda a forma de atendimento necessária?, enfatizou.

A programação contará com a participação especial de duas palestrantes do estado de Roraima, dentre elas a Presidente do Comitê Nacional de Bombeiras Militares, coronel Vanísia Santos, e profissionais na área de saúde, segurança pública e assistência social.

O encerramento ocorrerá na sexta-feira com a competição ?Bombeira de Garra Tucuju?, envolvendo equipes de todas as unidades da corporação, onde serão disputadas habilidades das bombeiras em missões de salvamentos e combate a incêndios. O evento também vai premiar mulheres profissinais de destaque.

?É um momento de importância para a corporação, não apenas discutir temas relevantes, como também mostrar à sociedade o nosso trabalho e a força do militarismo feminino, que tende a aumentar com o passar dos anos?, destacou Homobono.

Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o Tô Na Rede!


Mais Lidos

Publicidades