Para empresa, plataformas digitais não têm feito o suficiente para policiar conteúdo extremista, que cria polarizações na sociedade.

A Unilever, uma dos maiores anunciantes do mundo, ameaçou deixar de investir em publicidade em plataformas digitais. Para a companhia, Facebook e Google não estariam fazendo o suficiente para policiar conteúdo extremista e ilegal que cria divisões na sociedade e deixa as crianças desprotegidas.

Na noite desta segunda-feira (12), Keith Weed, diretor de marketing da empresa, durante anúncio, afirmou que a Unilever quer fazer, daqui para frente, parcerias e investimento apenas com plataformas responsáveis.

No discurso, a Weed delineou três ações para melhorar a transparência e a confiança dos consumidores no mundo online: plataformas, conteúdo e infraestrutura responsáveis.

"Eu acho que precisamos redefinir o que é um negócio responsável na era digital, porque, por tudo o que as empresas de tecnologia estão fazendo, há algumas consequências não desejadas que agora precisam ser abordadas e priorizaremos nosso investimento para ajudar a concentrar isso."

O diretor de marketing também disse que Unilever está empenhada em enfrentar os estereótipos de gênero na publicidade.

Desculpa da Dove

Recentemente, a marca de cosméticos Dove, propriedade da gigante holandesa Unilever, pediu desculpas após a difusão online de um anúncio que ganhou muitas acusações de racismo.

"Em uma imagem publicada esta semana, erramos ao representar as mulheres de cor, e lamentamos profundamente os danos causados", declarou a marca em uma mensagem publicada nas redes sociais Facebook e Twitter.

Na propaganda em questão, um anúncio de três segundos para um sabão líquido, uma mulher negra tira uma camiseta para revelar uma mulher branca, que remove sua camiseta e revela uma terceira mulher.

O vídeo, originalmente transmitido na página Facebook da Dove Estados Unidos e subsequentemente suprimido, foi amplamente denunciado pelos internautas em todo o mundo.


Mais Lidos

Publicidades