Estilo de vida

Carros elétricos X a combustão: conheça as diferenças de seguro

A constante evolução em todos os setores do mercado fez com que as pessoas buscassem por melhorias no seu cotidiano, seja com vestimenta, alimentação, moradia e até com a locomoção, originando algo que está muito presente nos dias atuais: os carros

Embora o rascunho para este modelo de veículo tenha surgido por volta do século 15, o carro só começou a ganhar popularidade nas ruas a partir da invenção das máquinas à vapor.

Inicialmente, a população que poderia utilizar carruagem para se locomover, acabou sendo a primeira que adotou este formato de veículo à vapor, ou seja, o modelo inicial que deriva da evolução do carro.

Como era movido a base da queima de carvão, não foram todos os países que acabaram adotando este veículo, bem como o ônibus que também era movido à vapor, um transporte que acabou se popularizando em Paris.

O carro moderno, que é conhecido atualmente e movido à gasolina, surgiu quando Karl Benz e Gottlieb Daimler, dois engenheiros alemães, inventaram outra forma de fazer o veículo se mover.

Daimler acabou desenvolvendo o formato de locomoção utilizando o petróleo líquido, enquanto Benz inventou o que ficou conhecido e utilizado até hoje como gasolina, sendo assim, ambos os motores movidos a base de combustão.

Contudo, a popularização do carro veio somente depois dos anos de 1900, principalmente com a produção em massa que Henry Ford fez com o veículo, o que fez com que a alta busca pelo automóvel fizesse com que estradas e ruas fossem asfaltadas.

Ao longo dos anos, o número de carros entre a população acaba aumentando e fazendo com que o cotidiano se alterasse cada vez mais para abrigar os diferentes modelos.

Estes passaram a ganhar designs diferentes, auto peças que variavam de fabricante para fabricante, bem como meios de mover o motor de forma distinta, não ficando restringido somente à combustão.

Os carros elétricos, ao contrário do que se espera, não surgiram de forma recente, e sim, foram adaptados ao longo da história, assim como os que são movidos a combustíveis.

Aparecendo pela primeira vez como um triciclo elétrico antes de virar um veículo de quatro rodas, por volta do século XIX, que era consumido em poucas quantidades em comparação aos demais veículos pelo seu alto custo, o que o restringia a somente classes sociais altas.

Com as questões ambientais entrando progressivamente em pauta, o ano de 2017 se tornou o período do qual esse modelo de locomoção passou a ser utilizado novamente, e acabou se tornando popular em alguns países.

As diferenças entre o carro elétrico e a combustão

As opções de carros que surgiram ao longo dos anos permitiram que, quem desejasse ter um veículo, pudesse escolher o meio de combustão que eles teriam, além de também possuir diferenças como:

  • Emissões de gás;
  • Forma de abastecimento;
  • Custo para manutenção e aquisição;
  • Tipo de motor.

Com a emissão de gases poluentes na atmosfera e os alertas de ambientalistas, o uso de carro a combustão se tornou um formato de locomoção que passou a ser constantemente reavaliado.

Isso porque os componentes como monóxido de carbono, hidrocarbonetos e dióxido de enxofre fazem parte da composição da gasolina, e que pode não ser prejudicial somente ao meio ambiente, como também à saúde humana.

O que acabou levando a criação dos veículos que são movidos a eletricidade, uma forma que não emite gases poluentes na atmosfera e podem ser abastecidos até mesmo através de energia solar, uma energia limpa e sustentável.

Outro ponto de divergência entre os carros elétricos e o de combustão são as formas com que eles são abastecidos. Embora ambos os veículos possam se encaixar na adição categoria B, a recarga destes veículos ocorre por meios diferentes.

Enquanto um carro movido de forma elétrica acaba demorando quase uma hora para ter a bateria recarregada, o que pode variar da potência do carregador bem como o seu tipo, um carro movido a gasolina leva por volta de cinco minutos para abastecer.

Incluindo o fato de que, o movido a combustão possui mais de um posto de abastecimento, enquanto os carros elétricos existem pontos exatos e, muitas vezes, longe de onde o indivíduo mora.

Os custos para o abastecimento também podem variar, sendo que os preços de uma concessionária de energia que abastece os carros elétricos saem mais em conta do que os preços para se abastecer com combustão.

Ao que se refere a custos, outro ponto que distingue esses dois formatos de locomoção para carros está ligada a sua manutenção e aquisição, especialmente porque o carro elétrico acaba sendo mais caro do que o convencional.

Mesmo que algumas partes como uma cristalização automotiva seja para ambos os casos, o que pode fazer divergências entre um equipamento e outro é a quantidade de peças que possuem, bem como suas funções diante do formato de combustível.

Os automóveis elétricos acabam tendo que trocar sua bateria, assim como os comuns, algo que se torna um custo elevado para ambos os casos, mas uma das vantagens é que não necessitam de tanta manutenção como os motores convencionais.

Que, por sua vez, por não serem de funcionamento uniforme, acabam dando problemas com uma maior facilidade em comparação aos de carros elétricos, que produz de forma potente e uniforme sua velocidade.

Além da leveza dos motores elétricos, os níveis de ruído entre um e outro acabam sendo outro ponto divergente, já que o barulho que um motor de arranque pode fazer no carro convencional, não é o mesmo de um elétrico.  

Existem diferenças no seguro entre os carros?

Quando se adquire um veículo, é importante que haja a aquisição de um seguro, que é um contrato entre uma empresa seguradora como proprietário do veículo, no qual este paga uma taxa que pode ajudá-lo em casos de prejuízos, variando de um plano para outro.

Algumas seguradoras podem funcionar como uma empresa de monitoramento e rastreamento, como em casos de roubo, por exemplo.  

1. Custo de reparo menor para carros elétricos

A reparação entre carros elétricos e a combustão são diferenciados, e com isso, reflete nos valores que são pagos ao seguro, especialmente no que está ligado a acidentes, um dos motivos que acabam fazendo com que as pessoas busquem seguros.

Um impacto que um carro elétrico sofre pode afetar menos a bateria do que um carro comum, o que também acaba reduzindo no valor total pago ao seguro. 

2. Carros elétricos tem cobertura especial

Por não serem fáceis de recarregarem e por não possuir pontos acessíveis como os carros a combustão, as empresas seguradoras para este modelo de veículo acabam disponibilizando uma assistência mais abrangente por conta de energia elétrica usada.

Pois, com a sua falta, pode fazer com que a direção assistida elétrica de um carro não funcione em uma rua, e com isso, acaba sendo necessário não somente o carregador, como um seguro para os cabos de carregamento também.

A cobertura de algumas empresas ainda podem incluir as casas com proteção para carregadores elétricos, seja em residência ou até mesmo em prédios.

3. Carros a combustível possui maior cobertura em oficinas

Por estar cada vez mais sendo introduzido no mercado, o carro elétrico apresenta algumas desvantagens quando se trata de conserto de peças em oficinas mecânicas parceiras de seguradoras.

Isso porque algumas peças podem não ser encontradas com tanta facilidade como no carro a combustível, deste modo, não são todas as oficinas mecânicas que estão habilitadas para consertar o veículo em caso de estrago.

Considerações finais

Alterados conforme os anos que se passavam e as descobertas foram surgindo, os carros tornaram-se parte do cotidiano de muitas pessoas, proporcionando conforto entre o trajeto e, principalmente, tendo despesas que são importantes.

Como a lavagem de estofados automotivos, pagamento de impostos e também de seguros contra a proteção que o motorista desejar.

Por funcionarem de modos diferentes, desde o momento da compra, as autopeças que os compõem e indo até mesmo nas formas de abastecimento, os carros elétricos e os que funcionam a combustão podem gerar pontos que levam a dúvida no indivíduo. 

Podendo ter mais de um tipo de direção, como a direção eletro hidraúlica, os carros se tornaram tópicos de debate sobre preservação do meio ambiente por conta dos gases poluentes que são lançados por escapamentos na atmosfera.

O que demonstra que, cada vez mais, a tecnologia irá ser aperfeiçoada para manter o veículo sem gerar grandes impactos, de forma que o conforto também possa ser algo sustentável e vir de energia limpa.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo