Comércio Eletrônico

Compras on-line: 6 maneiras de obter seu produto de forma segura

As compras on-line crescem no cenário nacional, movimentando bilhões de reais todos os anos. A tendência se intensificou com o smartphone e apresenta projeções ainda maiores de crescimento, impulsionadas pela sofisticação da tecnologia digital.

As plataformas de e-commerce são uma oportunidade de crescimento de pequenos e médios negócios, bem como uma chance de expansão para as grandes empresas ou mesmo conglomerados internacionais, aumentando a oferta de bens e serviços.

Hoje, quase qualquer coisa pode ser comprada pela internet. Uma cadeira jantar, um carro 0 km ou uma consultoria de advocacia, todos esses recursos estão disponíveis a custos mais baixos e com maior comodidade, quando comparados ao mercado tradicional.

Este artigo vai apresentar dicas para aproveitar essas mudanças com segurança, protegendo-se de falhas à privacidade do consumidor e ataques de terceiros.

Como proteger-se de golpes nas compras on-line

Os golpes em marketplaces se tornaram mais comuns, ao passo em que aumentou o fluxo de vendas virtuais. Diversificando-se em termos de alvo e modo de ataque, o primeiro item furtado do consumidor são suas informações. Portanto, eis alguns passos para protegê-las:

1 – Troque suas senhas periodicamente

Muitas pessoas seguem o conselho de criar senhas distintas para cada aplicativo ou site onde está cadastrada, como em uma loja de bolsa transversal feminina ou rede sociais, mas poucas se atentam para a necessidade de atualizar seus dados de cadastro.

Trocar suas senhas periodicamente protege sua conta de eventuais vazamentos de dados ou tentativas diretas de violação de sua conta. Muitos criminosos podem invadir contas de usuários comuns para aplicar golpes em nome deles, como uma conta laranja.

2 – Se possível, ative a verificação por 2 etapas

A verificação por duas etapas é a solicitação de um novo token de acesso, além da senha normalmente inserida na página de login, para que o usuário entre na conta. Este token pode ser uma nova senha, uma frase ou mesmo a identificação biométrica ou visual.

É um esforço extra no combate a violações em aplicativos, usado por marcas de vendas ou instituições bancárias. A verificação por duas etapas é também uma aliada nos processos de autorização de uma máquina específica, como um smartphone.

3 – Restrinja o acesso ao seu email e telefone

Poucos usuários entendem o quanto seu endereço de e-mail e seu número de telefone é valioso no acesso a contas bancárias ou logins em marketplaces para compra de lona de circo. Muitos processos de autenticação são realizados por meio desses dois canais.

Isso significa que o processo de resgate de senhas ou informações pessoais pode ser feito por qualquer pessoa que tenha acesso ao seu e-mail ou linha telefônica, o que inclui o usuário, proprietário da conta, ou um criminoso.

Portanto, acione todos os mecanismos de segurança disponíveis para suas contas de e-mail e números de telefone, especialmente aqueles que estão associados à autenticação de contas bancárias ou contas de marketplaces para venda de gaveteiro arquivo aço.

Uma dica é criar ou estabelecer um e-mail exclusivo para esse tipo de autenticação, utilizando outros endereços para as atividades mais ordinárias. Desta forma, se reduz a pulverização de dados sensíveis em múltiplas contas, para múltiplos serviços.

4 – Ariorize boletos ou cartões de uso único

Os boletos bancários são, ainda hoje, uma excelente opção de pagamento, figurando entre as mais seguras. O documento, emitido na plataforma de compras online, contém dados do cliente e da empresa, e pode ser pago de várias formas.

Um dos melhores pontos do boleto bancário é que o documento elimina a necessidade de cadastrar cartões de crédito na hora de comprar uma lente de contato em marketplaces, por exemplo, o que reduz o risco de clonagem por vazamento de informações.

Outro aspecto que eleva a segurança do modelo são as informações sobre a empresa, emitidos no documento. Todo boleto contém a razão social da prestadora do serviço, junto ao seu CNPJ, com validade que pode ser atestada em uma pesquisa rápida.

É possível autenticar informações; muitos sites de compra são intermediários de lojas virtuais, recebendo o valor do pagamento e repassando para a conta vendedora. Neste caso, os dados inscritos no boleto vão pertencer à esta marca.

5 – Verifique o histórico de cada loja virtual

O histórico de vendas de cada loja virtual pode ser atestado por meio da plataforma em que está inserida, bem como por sites especializados em suporte ao cliente, que exibem reclamações de consumidores para cada marca cadastrada.

Essas informações podem ser acessadas rapidamente em uma pesquisa, fornecendo ao usuário dados importantes sobre como a loja lida com erros de pagamento ou entrega. Ler os relatos de outros consumidores também reduz o risco de fraudes em compras virtuais.

É necessário considerar o número de comentários, recomendações e reclamações associadas a uma loja online. Quanto maior for a amostra de impressões sobre a marca, mais confiáveis serão seus resultados, visto que há menor risco de manipulação.

6 – Não forneça seus dados em sites de compras desconhecidos

Cada cadastro em plataforma digital, como um aplicativo para pedidos de uniforme para manicure, exige o fornecimento de dados sensíveis, como o endereço, telefone, e-mail e, em alguns casos, até mesmo CPF e número de outros documentos pessoais.

Portanto, é importante que o usuário se atente para a reputação de uma plataforma antes de se cadastrar nela. Histórico de vazamentos, infraestrutura problemática e contratos abusivos de compartilhamento de dados são os problemas mais encontrados.

Tipos de fraudes mais comuns

Para aprofundar a noção do usuário da importância em proteger seus dados pessoais, cabe conhecer quais são os golpes mais comuns e como eles atuam, bem como o nível de estrago financeiro e social para as vítimas. São exemplos de ações fraudulentas:

Clonagem de cartões de crédito na hora das compras

A clonagem de cartão de crédito é um velho golpe nacional, apenas adaptado para a infraestrutura digital. Consiste no furto de dados confidenciais do cartão, criando uma versão falsa, que realiza compras em nome do usuário.

No contexto digital, esse tipo de prática acontece pela violação de plataformas que contenham esses dados cadastrados, como sites de e-commerce ou aplicativos bancários, ou mesmo pela captura dessas informações pelo próprio usuário, enganando-o.

Sequestro de linha telefônica

Um dos mais recentes e devastadores tipos de fraude, o sequestro de linha telefônica acontece quando criminosos passam a ter acesso a um número de telefone, extraindo dados de seu proprietário a partir dele.

O principal objetivo deste tipo de prática é a invasão de contas bancárias virtuais, mas perfis em sites de compras online são alvos desse tipo de ação. Para evitar essa invasão e realizar a compra de uma persiana de teto motorizada, verifique o protocolo de sua conta.

Boleto falso

O boleto falso é uma das formas de phishing mais comuns por meio de e-mail. Aproveitando que muitas plataformas bancárias e de e-commerce disponibilizam boletos por e-mail, criminosos criam cópias falsas desses documentos, em nome da empresa.

O cliente desavisado efetua o pagamento do boleto falso, enviando o dinheiro para a conta laranja associada ao documento, em posse do criminoso. Uma maneira de prevenir-se deste tipo de fraude é ler o boleto antes de pagá-lo.

Especialmente caso este seja extraído de uma mensagem de e-mail, o consumidor deve conferir algumas informações chave em cordão personalizado, contatando a marca envolvida na operação, se for necessário.

  • Endereço do e-mail que enviou a mensagem (nome e domínio);
  • Regras de pontuação e gramática na mensagem;
  • Presença de CPF ao invés de CNPJ no boleto;
  • Razão social da empresa estampada no boleto.

Esta é a forma mais efetiva de proteger-se deste tipo de golpe. Caso ainda haja dúvidas quanto à procedência do boleto, o consumidor pode consultar a plataforma emissora diretamente, cruzando dados de cada fonte ou de boletos anteriores.

Interceptação ao entregar os produtos

Um golpe que gera danos para a loja e para o consumidor, a interceptação de entregas acontece pelo cadastro de um endereço falso para entrega de determinado produto, geralmente com uso de um intermediário pela transportadora.

Os criminosos repassam a mercadoria furtada em outras lojas online, que vendem o item por preços abaixo do mercado.

Desvio de tráfego para sites falsificados

Um dos golpes mais conhecidos, o desvio de tráfego para domínios de sites falsificados pode acontecer de duas formas: através de estratégias de phishing por e-mail, aplicativos de mensagem ou SMS, ou através de vírus instalado em uma máquina.

No primeiro caso, o consumidor clica em um link falso, acompanhado de uma mensagem, que simula toda a interface do verdadeiro site de um banco ou loja virtual.

O segundo caso acontece quando o usuário instala algum software infectado com o vírus, que modifica o comportamento de seu navegador. Ao digitar o endereço de um site, o arquivo troca a URL por uma versão falsa.

Considerações finais

É possível usufruir do comércio online com segurança, desde que haja o cuidado do cliente com suas informações pessoais. Cabe ao consumidor compreender quais são as ameaças vigentes e como proteger-se delas com ações simples.

Às empresas que atuam no e-commerce, investir em mecanismos de segurança em seus terminais é fundamental. Além da redução de prejuízos com ataques e invasões, as lojas virtuais também ganham em confiabilidade e satisfação do cliente. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo