Ou: Como o Time's Up, o capitalismo e os movimentos sociais estão (ou não) transformando a cena audiovisual.

Desde quando Harvey Weinstein foi acusado de assédio e estupro por dezenas de atrizes, diretoras e produtoras, o que Hollywood tem acompanhado é um movimento que tomou conta das manchetes dos portais, dos textos publicados em redes sociais, das cerimônias da recém-encerrada temporada de premiações. Dois meses após a primeira denúncia contra então magnata (ocorrida em outubro de 2017), surgiu o Time's Up , o movimento #MeToo já havia se expandido (com emoji no Twitter e tudo), e junto a isso abriu-se espaço para o Never Again , organização majoritariamente estudantil que luta contra o porte de armas. Todos nós sabemos o quão importante é lutar pelos direitos das minorias, embora haja quem considere tudo uma grande bobagem — ou "mimimi". Por mais divertido que seja debater a relevância de levantes sociais, o objetivo aqui é outro. A questão, na verdade, é mais simples: por que agora?

Foto: DeviantArt/PaulWhipps/Reprodução / AdoroCinema

Time's Up: Mulheres de Hollywood criam iniciativa para defender vítimas de assédio

Nada existe em um vácuo, portanto é necessário enxergar o que está em volta. Basta uma passada pela timeline do Twitter ou pelo feed do Facebook para a simples conclusão de que estamos vivendo a era mais politizada que as redes sociais já viram. O mundo nunca foi "não politizado", mas o que enxergamos aqui, pela primeira vez, é a efetiva transição dos debates para as páginas virtuais — nem sempre exatamente recompensadores, mas ainda assim importantes porque revelam o quão diferentes são as visões de mundo. A consciência do feminismo, da representatividade negra e LGBT são debates que vêm desde antes das redes, mas o ambiente virtual ajuda (e muito!) a disseminar o real objetivo destas lutas. Ninguém quer explodir todos os homens brancos e heterossexuais. O ponto é apenas existir em conjunto, de igual para igual.

Se não com o #MeToo , quando foi que Hollywood resolveu "se importar" com as minorias, então? Em retrocesso, o movimento Oscars So White surgido em 2015 talvez tenha sido o primeiro grande indício de que algo maior estaria por vir. Por dois anos seguidos, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas foi criticada pela falta de indicados negros ao prêmio máximo do cinema. A situação mudou radicalmente entre 2016 e 2017, quando a Academia convidou centenas de novos membros de etnias, gêneros, origens e idades diferentes. O que resultou na inesquecível vitória de Moonlight sobre La La Land em 2017, no prêmio de roteiro de Corra! neste ano e nas indicações de Rachel Morrison, Octavia Spencer, Mary J. Blige, Daniel Kaluuya, entre outros.

Mas como pontuou April Reign , a criadora da hasthtag , à época das indicações, ainda é cedo para cantar vitória:

"Enquanto estivermos vociferando 'primeiras vezes' após 90 anos de história, enquanto ainda pudermos contar nos dedos as indicações de comunidades sub-representadas em uma categoria específica, o #OscarsSoWhite permanece relevante. A luta continua."

Oscar 2018: Rachel Morrison, de Mudbound, faz história e é a primeira mulher indicada à categoria de melhor fotografia

Ainda assim, mudanças efetivas têm ocorrido. Em agosto de 2016, o presidente do canal FX, John Landgraf, dedicou parte de seu painel executivo durante o TCA para agradecer à jornalista Maureen Ryan, crítica sênior de séries de TV da Variety, pelo "puxão de orelha". Ela havia publicado um estudo em novembro do ano anterior denunciando a falta de diversidade entre os diretores de TV nos canais a cabo norte-americanos: AMC, FX, HBO, Netflix e Showtime. Desde então, o FX demonstrou imediato empenho em mudar o quadro, e já na temporada 2016-17 teve 51% de seu quadro de diretores formado por minorias, entre homens de minorias étnicas e mulheres, caucasianas ou de cor.

O resultado prático disso foi que, a longo prazo, o FX se tornou a emissora queridinha da crítica: foi graças a esta abertura que o canal encontrou séries como Atlanta e Better Things, projetos passionais de Donald Glover e Pamela Adlon. Foi nesta brecha também que Ryan Murphy, então favorito da casa, criou a Fundação Half, e em dezembro de 2016 já havia entregado 60% de seus cargos de direção a mulheres — 10% a mais do que o inicialmente planejado. E foi na diversidade de vozes que o canal encontrou uma maneira extremamente simples e eficaz de permanecer relevante em meio ao mar de séries do Peak TV .

Mulheres e homens têm representação mais justa em séries de TV criadas por mulheres, revela estudo

Não foi muito diferente nos cinemas. Em seu monólogo de abertura do Oscar deste ano, Jimmy Kimmel provocou: "O sucesso de Pantera Negra é uma das muitas histórias positivas deste ano. Especialmente para negros e Bob Iger [CEO da Disney]. Pantera Negra e Mulher-Maravilha são sucessos massivos, o que é quase improvável, porque eu me lembro de uma época em que grandes estúdios não acreditavam que uma mulher ou uma minoria poderiam estrelar um filme de super-herói. E eu me lembro disso porque foi em março do ano passado."

Portanto, sim, as mudanças são recentes, e por isso talvez menos expressivas do que gostaríamos. A maior certeza é que, ainda assim, elas incomodam. Exaltar Pantera Negra ou Mulher-Maravilha pelos seus ótimos retratos de mulheres e negros em posição de poder chega a ser ofensa pessoal para alguns. Hollywood entendeu, depois de muito tempo, que aproveitar os discursos empoderados é lucrativo. Não que esta seja a maior descoberta do século — conhecemos a lei número 1 do sistema capitalista. Também não é errado, e pelo contrário, o alto potencial lucrativo destas histórias apenas prova um ponto: as minorias existem, querem ser vistas e ouvidas. E, numericamente, nem mesmo poderiam ser chamadas de "minorias".

O mesmo que Reign havia dito a respeito do Oscars So White continua valendo para esta recém-nascida onda de grandes "blockbusters conscientes". É preciso ter um olhar clínico sobre toda a indústria, porque qualquer mudança leva tempo e nem todas são reais.

Tomemos como exemplo a cerimônia do 60º Grammy Awards, ocorrida no último dia 28 de janeiro. Criticada nos últimos anos também pela falta de diversidade entre os indicados, a Recording Academy exaltou entre os nomeados de 2018, merecidamente, Jay-Z (8), Kendrick Lamar (7), Bruno Mars (6), Childish Gambino (5), Khalid (5), SZA (5), No I.D. (5). Lamar ganhou cinco dos sete prêmios, e Mars foi o maior vencedor da noite. O que sobrou em representatividade de artistas não-brancos (entre negros e latinos) faltou em representatividade feminina. Enquanto três das cinco posições em melhor nova artista foram ocupadas por mulheres, elas tiveram somente duas indicações das 15 das categorias principais — uma em canção do ano ('Issues', de Alessia Cara) e uma em álbum do ano ('Melodrama', de Lorde). Nenhuma das duas venceu, mas Cara levou o prêmio de melhor nova artista.

A contradição ficou em evidência após a neozelandesa Lorde ter sido a única que não foi convidada a fazer uma apresentação solo entre os indicados ao maior prêmio da noite. A Variety publicou que a artista foi convidada a participar apenas de uma homenagem a Tom Petty junto a outros artistas — que seus agentes recusaram. Mais tarde, a mãe de Lorde (a poetisa Sonja Yelich) publicou em seu Twitter o trecho de um artigo do New York Times que denuncia: apenas 9% dos 899 indicados ao Grammys nos últimos seis anos são mulheres.

A organização da cerimônia, no entanto, se importou em "fazer bonito". Kesha fez uma emocionante apresentação de seu hit, "Praying", junto a outras mulheres, em um momento dedicado a chamar atenção para o sexismo da indústria. Muitos dos artistas compareceram usando rosas brancas em suas roupas, em apoio ao Time's Up . Mas Alessia Cara foi a única mulher a vencer um dos prêmios televisionados. Entre os 86 entregues no total, apenas 17 foram para mulheres ou grupos que tinham mulheres em sua formação.

Em entrevista nos bastidores, o presidente da Academia Neil Portnow justificou a esnobada dizendo simplesmente que as mulheres precisam "se impor mais." Vai sem dizer que a fúria foi imediata: "As mulheres estão fazendo isso desde o início dos tempos. As mulheres dominaram a música neste ano. E fizeram isso todos os anos anteriores", declarou Pink.

Se as mulheres estão fazendo e não estão sendo devidamente reconhecidas, onde começa a mudança?

A resposta talvez já esteja entre nós. Quando Frances McDormand aceitou o seu prêmio de melhor atriz por Três Anúncios para um Crime no 90º Oscars, ela clamou por cláusula de inclusão (ou "inclusion rider" ) . Antes disso, Reese Witherspoon e Nicole Kidman mostraram que é possível com Big Little Lies, uma das duas maiores séries de 2017, uma forte história de sobrevivência e abuso sexual. A outra grande série do ano passado, aliás, é The Handmaid's Tale.

Deu para entender?

Big Little Lies nasceu exatamente porque Reese Witherspoon e Nicole Kidman estavam "cansadas" de ver mulheres sendo mal representadas. Elas conceberam o projeto e reuniram um poderoso time no elenco e na produção, e o resultado arrebatou absolutamente todos os prêmios a que concorreu. Todos.

Com sua produtora, Witherspoon está agora patrocinando pelo menos quatro novas séries, que darão outras oportunidades para atrizes novatas e pretende trazer mulheres fortes para o centro das tramas. Ao mesmo tempo, o Time's Up já começou a prover assistência legal a mulheres vítimas de abuso sexual. Na última semana, Evan Rachel Wood fez um emocionante depoimento ao Congresso dos Estados Unidos, para defender a criação de uma Carta dos Direitos Civis para Sobreviventes de Assédio Sexual. Na França, as atrizes lançaram um fundo de ajuda para mulheres vítimas de assédio. A Marcha das Mulheres, que ocorreu em várias capitais em 2017 após a posse de Donald Trump, retornou em 2018 com mais força.

Isso tudo não é para afirmar que a indústria do entretenimento de uma hora para outra tomou um "chá de consciência". Trata-se de um processo lento, cujos resultados verdadeiros só serão vistos a longo prazo. Mas Pantera Negra foi feito. Mulher-Maravilha também. Charlize Theron bateu em todo mundo em Atômica, e Capitã Marvel está chegando. Todos os episódios da segunda temporada de Jessica Jones foram dirigidos por mulheres. Um filme de terror social venceu o prêmio de melhor roteiro original no Oscar, e um drama gay foi o melhor filme do ano em 2017. Talvez haja uma solução, no fim das contas.

AdoroCinema

Mais Lidos