Um dos compositores mais importantes da Bahia, embora nem sempre seja reconhecido e louvado como tal fora das fronteiras soteropolitanas, Gerônimo Santana alcançou pico inicial de projeção com o lançamento, em 1987, da música Eu sou negão (Macuxi muita onda), expondo o orgulho negro de uma Bahia bela e preta, musicalmente miscigenada com os ritmos caribenhos e africanos.

Decorridas três décadas do lançamento dessa composição, uma das pedras fundamentais do gênero que seria rotulado como axé music, Gerônimo incrementa a onda da música em regravação feita com a adesão do conterrâneo Moraes Moreira e lançada em single neste mês de fevereiro de 2018 pela gravadora Deck.

Na releitura com Moreira, compositor que deu forma à música afro-pop-baiana uma década antes do movimento iniciado em 1985, Eu sou negão chega à era digital com doses de eletrônica, psicodelia e de prosódia que evoca o canto falado do rap. Em qualquer tempo, Eu sou negão é manifesto da beleza negra que dá o tom da Bahia.


Mais Lidos