No filme de terror, parte do medo depende da capacidade da atriz de dançar como mulher possuída. Produção concorre ao Leão de Ouro no Festival de Veneza.

Se Dakota Johnson precisou se preparar para a trilogia erótica "Cinquenta tons de cinza", não foi nada comparado às exigências físicas de "Suspiria". No filme de terror, grande parte do medo depende de sua capacidade de dançar como uma mulher possuída.

"Foi incrível descobrir que eu era capaz de fazer aquilo com meu corpo, mas exigiu muito trabalho, muito treino", disse a atriz à Reuters no Festival Internacional de Cinema de Veneza. A produção é uma das concorrentes ao Leão de Ouro, principal prêmio da mostra.

"Treinei durante seis meses antes de filmar. Estava gravando outro filme em Vancouver, o terceiro filme de '50 Tons', e treinava com o treinador antes ou depois do trabalho", lembrou.

Refilmagem de um clássico dos anos 1970, o longa se passa em uma escola de dança em Berlim onde a personagem de Dakota, Susie, uma ingênua iniciante saída dos campos de milho do Estado norte-americano de Ohio, descobre poderes estranhos em ação.

As mulheres mais velhas da academia se impressionam com sua dança instintiva e violenta e logo lhe dão o papel principal de um espetáculo - mas o espectador suspeita que elas têm algo mais sinistro em mente.

O novo "Suspiria" é dirigido por Luca Guadagnino, indicado ao Oscar por "Me chame pelo seu nome" (2017). Tilda Swinton e Mia Goth também estão no elenco. A estreia é prevista para novembro nos Estados Unidos - ainda não há data para o Brasil.


Mais Lidos