Medida é passo rumo à apresentação de possíveis acusações criminais contra produtor, denunciado por mais de 70 mulheres. Ele nega ter tido relações sexuais não-consensuais.

Procuradores de Los Angeles estão analisando três alegações de agressão sexual contra Harvey Weinstein, 65, disse um porta-voz da Procuradoria do distrito norte-americano nesta quinta-feira (8). A medida é um passo rumo à apresentação de possíveis acusações criminais contra o produtor de cinema.

Los Angeles é uma de três cidades, junto com Nova York e Londres, onde a polícia investiga denúncias feitas contra o cofundador do estúdio Miramax, que já foi um dos homens mais influentes de Hollywood.

Mais de 70 mulheres acusaram Weinstein de compotamento sexual inadequado, inclusive de estupro. Ele nega ter tido qualquer relação sexual não-consensual.

"Três casos foram apresentados ao nosso escritório pelo Departamento de Polícia de Los Angeles no dia 1º de fevereiro referentes ao sr. Weinstein e estão em análise", disse Greg Risling, porta-voz da Procuradoria de Los Angeles, em comunicado.

Uma representante do produtor não respondeu a pedidos de comentários, e um advogado de Weinstein não pôde ser encontrado de imediato. O Departamento de Polícia de Los Angeles não quis comentar os três casos citados pela Procuradoria.

Desde outubro, centenas de mulheres acusaram importantes empresários, políticos e personalidades da indústria do entretenimento de abuso sexual, se unindo ao movimento virtual "MeToo", que chama atenção para casos de violência sexual nos Estados Unidos.


Mais Lidos

Publicidades