Negócios

Gestão financeira: O que todo empreendedor precisa aprender

O empreendedorismo tornou-se uma tendência em alta, afinal, muitas pessoas têm desbravado os caminhos de pedra em busca do sonho do próprio negócio. Mas para que o sonho seja algo viável de ser atingido, é essencial ter gestão financeira.

Se engana quem acredita que faturamento é o mesmo que lucro, analisando o contexto empresarial. Inclusive, é devido a essa confusão de conceitos que muitas empresas acabam entrando no cenário de dívidas e queda da saúde financeira.

A grande diferença entre os dois conceitos pode ser entendida com a análise de gastos fixos, despesas e demais custos com materiais como fardas e uniformes de trabalho.

Ou seja, o faturamento equivale a todos os valores vendidos de um produto ou serviço, entretanto, o lucro, por sua vez, corresponde a todo valor que restou após o pagamento dos custos e despesas fixas com aluguel e insumos.

A partir do entendimento destes dois conceitos, o empreendedor já está contextualizado com a gestão financeira, competência crucial para o sucesso.

A gestão financeira é uma atribuição essencial para grandes empresas e microempreendedores individuais, porque esta viabiliza não só o funcionamento das organizações, bem como o atingimento de objetivos.

Portanto, se o desejo de uma empresa é melhorar o ambiente de trabalho por intermédio de um projeto de reforma de escritório pequeno planejado, tal objetivo pode ser atingido através da boa gestão e controle das finanças.

O que é gestão financeira?

Entende-se por gestão financeira o conjunto de métodos, ações e processos aplicados no contexto empresarial, com a finalidade de permitir o controle e planejamento de atividades no escopo financeiro.

É a gestão financeira que fornece a visibilidade necessária para a elaboração de um plano diretor estratégico, conferindo a análise de métricas relevantes para a empresa em termos de valores e atingimento de metas.

O departamento financeiro das empresas é responsável por toda a análise, que engloba diferentes tarefas importantes. Entre elas, estão contempladas:

  • Controle das contas a pagar;
  • Controle das contas a receber;
  • Fluxo de caixa;
  • Gestão de orçamentos por projeto.

Essas são algumas das tarefas contempladas no escopo de trabalho do departamento financeiro, embora empresas que atuam em diferentes modalidades, como o comércio exterior, tenham um adicional de outras responsabilidades financeiras.

Sendo assim, a gestão financeira deve ser atrelada com o conceito de administração de capital, abarcando inclusive a compra de insumos de qualidade para a produção de letra caixa com led interno.

A administração financeira é essencial tanto para grandes empresas, principalmente para as PMEs (pequenas e médias empresas) e ainda para os empreendedores, já que estes não contam com o investimento de capitais de terceiros.

No cenário brasileiro, ainda há uma discrepância no acesso à informação no que tange a pauta de educação financeira, por isso os especialistas reúnem etapas cruciais para que os empresários consigam dar os primeiros passos no controle de finanças.

Planejar

O planejamento é um dos pilares indispensáveis para todo e qualquer tipo de gestão, tendo em mente que é por intermédio dos dados observados no planejamento que são delegadas as diretrizes do plano estratégico empresarial.

Em outras palavras, isso significa que no processo organizacional financeiro, as empresas precisam realizar um planejamento minucioso e definir os resultados a serem alcançados, levando em consideração os imprevistos e obstáculos diversos.

Com isso, a gestão das finanças precisa trazer visibilidade das metas propostas para o faturamento do serviço de impermeabilização de estofados automotivos, considerando as variáveis a serem enfrentadas pelo caminho.

Controlar

Outra etapa crucial no controle financeiro é sobre evitar prejuízos e gastos desnecessários, incluindo no custo operacional dos processos.

Indo ao encontro no cenário interno das pequenas e médias empresas bem como os empreendedores que, em suma, operam com capital próprio, pode-se entender que o intuito é evitar ao máximo desperdícios com o dinheiro da organização.

Para uma empresa de arquitetura e reforma, o gerenciamento de atividades dos funcionários consegue trazer a perspectiva necessária para que o departamento financeiro possa enxergar o custo operacional.

Porquanto, controlar os processos é importante, pois dá abertura para que os executivos e proprietários possam aprimorar os procedimentos internos com novas ferramentas e métodos.

Analisar

Com a finalidade de enriquecer o processo de gestão financeira com eficiência, a etapa de análise é indispensável. Tal análise deve contemplar o contexto endógeno e exógeno dos processos e resultados.

Ou seja, a empresa precisa elaborar métricas que proporcionem o entendimento sobre os resultados qualitativos e quantitativos, dando alternativas para a implementação de melhorias e monitoramento de desempenho.

Ao observar a operação de franquias de sucesso, é possível notar a adoção de análise de métricas como um complemento do planejamento empresarial.

Logo, para os empreendedores, a ação de análise de indicadores é indispensável não só para potencializar a produção e entregas, como também para o melhor controle financeiro.

Investir

Contextualizando com o intuito da gestão financeira, que é propor metodologias analíticas para gerenciar o faturamento, lucro e custos, pode-se compreender que para os investimentos, também é preciso a análise de dados.

Isso quer dizer que toda melhoria processual que preveja a implementação de novas ferramentas, ou ainda o investimento de materiais básicos de escritório como bloco de notas com caneta, requer a observação dos dados.

Com os indicadores obtidos através do controle, análise e planejamento, a empresa tem informações o suficiente para determinar se o resultado mensurável efetivamente contribui para a saúde financeira da organização.

Saiba como implementar a gestão financeira no seu negócio

Depois de conhecer os pilares que compõem o controle financeiro organizacional, assim como a funcionalidade de cada um deles, é momento de compreender quais os melhores métodos que permitem o gerenciamento descomplicado.

Tendo em vista que o empreendedorismo no Brasil surge majoritariamente a partir do propósito de indivíduos a trilharem os próprios sonhos, é compreensível que muitas pessoas tenham dúvidas sobre o funcionamento empresarial no cotidiano.

Com a finalidade de tornar o acesso à informação democratizado, os especialistas reúnem algumas dicas que facilitam a dinâmica de implementação de métodos de gestão e controle financeiro para os empreendedores e proprietários das PMEs.

  1. Faça o acompanhamento regular do fluxo de caixa

Uma das principais ações do departamento financeiro e demais escopos de atuação que envolvam finanças, é o controle de tudo aquilo que entra e sai no caixa da empresa, ou seja, o gerenciamento do fluxo de caixa.

A ação primordial para quem deseja evitar gastos desnecessários e ainda evitar que os prejuízos passem imperceptíveis no primeiro momento, é averiguar diariamente todas as entradas e saídas do caixa da empresa.

Essa análise diária é recomendada pelos especialistas, porque permite um acompanhamento em tempo real, dando abertura para que métodos de gestão de crise sejam implementados de imediato, minimizando os danos.

Além disso, fazer o acompanhamento do fluxo de caixa com frequência facilita o seguimento de planejamento, assim como permite maior visibilidade acerca do atingimento das metas.

  1. Separe as finanças da empresa das finanças pessoais

Para quem está investindo no empreendedorismo, o desenvolvimento da competência de disciplina é indispensável, principalmente se o intuito é focar no crescimento de faturamento e lucro da empresa.

Por mais que um cartão CNPJ esteja atrelado ao CPF do proprietário, é preciso que este tenha em mente que as finanças da empresa não estão no escopo previsto de suas finanças pessoais.

Uma empresa para funcionar precisa de capital de giro, despesas e gastos fixos, e ainda lidar com questões como insumos e folha de pagamento de funcionários.

Portanto, o empreendedor deve ter o claro entendimento e controle de seus gastos e ganhos pessoais, separando-os das finanças da empresa, para assim ter um melhor funcionamento financeiro organizacional.

  1. Conheça os conceitos básicos

Investir no conhecimento é uma etapa crucial para os proprietários de empresas, aliás, é por intermédio do conhecimento que os executivos conseguem se consolidar como bons gestores.

Estudos apontam que menos da metade dos executivos nascem com a aptidão natural para administrar, os demais devem então dedicar tempo para o enriquecimento e desenvolvimento pessoal e profissional.

Contextualizando com o mundo das finanças, sabendo a importância de tais para o alcance de resultados, é crucial que os empreendedores dediquem tempo para entender conceitos básicos e sua aplicação no cotidiano.

Por isso, pode-se afirmar que investir no aprimoramento de competências é um ponto presente nos diferentes métodos de gestão, inclusive no escopo que compõe a gestão financeira dos empreendedores.

Considerações finais

O empreendedorismo é uma tendência em alta no Brasil, como um resultado direto das iniciativas de órgãos públicos para a criação e gerenciamento de negócios próprios com capital 100% nacional.

Contudo, os empreendedores que majoritariamente são ex-funcionários CLT, precisam estar preparados para lidar com questões adversas do dia a dia. A gestão, sobretudo a financeira, é um método de conferir melhores respostas para questões cotidianas.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo