Vento derrubou estrutura na tarde de terça-feira (23), em Marialva, no norte do Paraná, e ninguém ficou ferido. Nesta quarta (24), dois guindastes fizeram a remoção da cobertura.

Guindastes são usados para remover estrutura arrancada pelo vento em Marialva

?Graças a Deus, deu tudo certo?, afirmou, na manhã desta quarta-feira (24), Laudir de Césaro, que viu o teto de um posto de combustíveis cair sobre o carro onde estavam a mulher dele e o filho do casal, de 7 anos. Ninguém ficou ferido.

O vento derrubou a estrutura do posto em Marialva, no norte do Paraná, na tarde de terça-feira (23). Três veículos foram atingidos e a estrutura ficou escorada na churrascaria que funciona junto ao posto, onde Laudir trabalha como gerente há 15 anos.

?Se ela está um metro, ou dois, mais para trás, a estrutura pega no para-brisa do carro, talvez ela não estaria aqui. Sei lá o que poderia ter acontecido de pior?, disse o gerente.

Ele contou que a mulher e o filho foram até o local para que ele pudesse acompanhar uma consulta médica em Maringá, na mesma região do estado. Laudir pediu para a mulher esperar no carro porque estava chovendo demais.

?Quando a rajada de vento veio, eu me toquei que a estrutura ia cair, eu saí correndo para falar para ela tirar o carro debaixo da estrutura, mas não deu tempo. Quando eu cheguei na porta do restaurante a estrutura veio sobre a gente e eu tive que voltar correndo?, lembrou.

Logo após perceberem que não havia risco, ele foi até o carro e retirou o filho. O chefe dele, Clésio Zaparoli, ajudou a resgatar a mulher de dentro do veículo. Ambos saíram ilesos, apesar do susto. Assista abaixo as imagens de câmeras de segurança.

Telhado de posto de combustíveis desaba durante temporal no Paraná

Marialva não tem equipamentos para medir a velocidade do vento, mas na região do Aeroporto de Maringá, os ventos chegaram a 104 km/h durante a tarde de terça.

Prejuízos

Dois guindastes foram usados, na manhã desta quarta-feira (24), para remover a cobertura do posto de combustíveis.

Após a retirada, a cobertura será cortada e levada para um ferro velho, segundo Zaparoli. Uma nova cobertura deve demorar três meses para ficar pronta.

Na manhã desta quarta, as bombas de combustíveis passaram por uma análise, que confirmou que elas não foram danificadas. Depois da avaliação, o posto voltou a funcionar, mesmo sem a cobertura.

Veja mais notícias da região no G1 Norte e Noroeste.