Em evento de conservadores, ele leu letra de música sobre cobra que pica mulher bondosa que a ajudou: 'Isso é o que estamos fazendo com nosso país', comparou. Metáfora já havia sido adotada durante campanha eleitoral.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, equiparou nesta sexta-feira (22) os imigrantes a cobras traiçoeiras, retomando uma alegoria própria de sua campanha eleitoral para reiterar sua retórica anti-imigração.

Em um discurso na conferência CPAC, um dos fóruns mais importantes dos conservadores americanos, Trump leu a letra da canção "The Snake", de 1968, de Al Wilson, sobre um animal doente que recompensa a "mulher bondosa" que o ajudou a se recuperar com uma picada venenosa.

"Vocês têm que pensar nisso em termos de imigração", assinalou o presidente, antes de compartilhar essa música baseada em uma fábula de Esopo.

"'Eu te salvei', gritou a mulher/'E você me picou, mas por quê?/Você sabe que sua picada é venenosa e agora eu irei morrer'/'Oh, cale-se, mulher tola', disse o réptil com um sorriso/'Você sabia muito bem que eu era uma cobra antes de me acolher'", recitou Trump em meio aos aplausos do público.

"Isso é o que estamos fazendo com nosso país", concluiu. "Estamos deixando as pessoas entrarem, e vai haver muita gente. Só vai piorar. Damos proteção a eles como nunca antes".

Trump, que costumava usar a metáfora da cobra durante seus atos de campanha em 2016 e também recorreu a ela ao completar 100 dias de governo em um comício na Pensilvânia, urgiu a construção do muro na fronteira com o México.

"Uma nação forte deve ter fronteiras fortes", assinalou. "Não se preocupem, terão o muro", prometeu aos presentes na CPAC.

Trump também aproveitou para repassar as conquistas dos agentes de controle migratório, dizendo que no ano passado prenderam mais de 100 mil estrangeiros que cometeram "milhares de crimes", e reforçou seu rechaço às jurisdições do país nas quais as autoridades se negam a identificar os migrantes em situação ilegal ante os agentes federais para sua deportação.

"Estamos tomando medidas enérgicas contra as cidades-santuário", disse, depois de ameaçar na quinta-feira retirar as tropas federais do estado da Califórnia por sua negativa em cooperar com a detenção de migrantes em situação ilegal.

Mais Lidos

Publicidades