O maior mercado de peixes do mundo retomou suas operações em um novo endereço de Tóquio nesta quinta-feira, após ter realizado na semana passada seus últimos leilões na instalação de Tsukiji, uma das principais atrações turísticas da capital japonesa.

Visão geral de mercado de peixes de Tsukiji, em Tóquio, Japão 11/10/2018   REUTERS/Issei Kato
Visão geral de mercado de peixes de Tsukiji, em Tóquio, Japão 11/10/2018 REUTERS/Issei Kato
Foto: Reuters

A inauguração do novo mercado de Toyosu, que custou 5 bilhões de dólares, foi marcada por um pequeno incêndio em um caminhão e um congestionamento no início da manhã.

Enquanto o primeiro leilão de atum começava, às 5h30, os saguões se encheram com o som de sinos e dos gritos de comerciantes, que também usavam sinais de mão na luta para conseguir os melhores produtos do dia.

"Pode demorar um pouco para se acostumar", disse a governadora de Tóquio, Yuriko Koike. "Juntos, gostaríamos de transformá-lo no principal mercado de Tóquio, e do Japão, e tornar a marca Toyosu melhor a cada dia".

O mercado de Tsukiji, que se manteve aberto durante 83 anos, atraía dezenas de milhares de visitantes todos os anos para barracas cheias de espécies exóticas de peixes e peças frescas de sushi, uma atividade turística que foi essencial para o plano econômico do primeiro-ministro Shinzo Abe.

Entretanto, a instalação havia se tornado decadente e insalubre, disseram autoridades municipais durante o planejamento da transferência para Toyosu, situado área mais distante do centro de Tóquio --uma mudança que foi adiada várias vezes desde que foi concebida há 17 anos.

Mais de 80 por cento dos comerciantes de peixe de Tsukiji se opuseram à realocação, mostrou pesquisa de grupo que lutou contra a transferência.

Embora o trabalho de demolição de Tsukiji tenha começado nesta quinta-feira, um grupo de comerciantes que protestava contra a mudança conseguiu entrar no local.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

Mais Lidos