Exclusão foi ordenada por sua filha e sucessora, Marine Le Pen. Jean-Marie manterá o status de presidente de honra da legenda.

O Tribunal de Apelação de Versalhes, nos arredores de Paris, confirmou nesta sexta-feira (9) a exclusão de Jean-Marie Le Pen do partido extrema-direita da França Frente Nacional (FN), ordenada por sua filha e sucessora, Marine Le Pen, mas ele manterá o status de presidente de honra da legenda.

Assim, o antigo líder do partido, que em junho completa 90 anos, poderá participar das instâncias de governança do partido, cujo comando foi herdado por sua filha em 2011.

Esta é uma pequena vitória judicial no duelo entre pai e filha desde 2015, quando, em pleno processo de suavização do discurso da FN, a presidente do partido excluiu seu pai, depois que ele minimizou o uso de câmaras de gás nos campos de extermínio nazista.

O pai, que havia cofundado o partido em 1972 e o presidiu até passar o bastão para sua filha, levou à Justiça essa decisão, dando início a uma novela judicial na qual conseguiu a anulação da exclusão em até duas ocasiões.

Em novembro de 2016, a Justiça francesa validou sua exclusão do partido, mas pediu à legenda de extrema-direita que o mantivesse como presidente de honra, uma sentença que foi confirmada agora em apelação.

Jean-Marie Le Pen: 'satisfeito'

Através de seu conselheiro, o patriarca Le Pen disse que está "satisfeito" com a decisão do Tribunal, mas sua vitória pode ser de curta duração, já que Marine Le Pen deve suprimir a figura de presidente de honra no congresso de refundação do FN que acontecerá em março.

O conselheiro de Jean-Marie disse à emissora de televisão "BFMTV" que o cofundador do partido lutará nesse congresso para ser restituído "de forma serena" no partido e que a atual presidente "ultimamente, não tem conseguido alcançar as metas que propõe".

Jean-Marie Le Pen, que conserva também o cargo de deputado no Parlamento Europeu, não deixou de criticar sua filha desde que foi expulso do partido e, após a derrota no segundo turno das eleições presidenciais no ano passado, afirmou que ela deveria deixar o cargo.

Posição enfraquecida

Por ocupar o posto de presidente de honra da FN, o patriarca pode lutar no congresso e se opor à refundação que sua filha propõe, já que a posição dela está enfraquecida desde o segundo turno das eleições presidenciais.

Em relação ao congresso, que será realizado nos dias 10 e 11 de março em Lille, no norte da França, Jean-Marie Le Pen garantiu que estará presente, brandindo seu status simbólico de presidente de honra.

Em declarações à "BFMTV", o secretário-geral da FN, Steeve Briois, vetou a participação do cofundador do partido no congresso, ao lembrar que ele sequer é filiado, e esclareceu que a figura do presidente de honra provavelmente será abolida no congresso.

Mais Lidos

Publicidades