Na BR-230, em Balsas, são três barreiras eletrônicas que funcionam parcialmente em virtude do vandalismo.

Barreiras eletrônicas são danificadas em rodovias no Maranhão

Barreiras eletrônicas estão sendo danificadas em rodovias que cortam o estado do Maranhão. Em todo estado são 37 equipamentos em perímetros urbanos de seis rodovias.

No segundo semestre do ano de 2017 todas as barreiras eletrônicas nas rodovias federais do Maranhão foram aferidas pelo Inmetro. Uma garantia de que a velocidade está sendo medida corretamente.

O problema é que em menos de seis meses muitos equipamentos já estão danificados. Na BR-230, em Balsas, a 810 km de São Luís, são três barreiras eletrônicas que funcionam parcialmente em virtude do vandalismo. Em um dos pontos da rodovia, o poste foi derrubado, o que dificulta a visibilidade dos motoristas.

Em outro ponto da BR-230, o poste da barreira eletrônica está torto e as marcas no aparelho indicam que ele foi alvo de chutes. Além disso, os faróis que informam a velocidade para o motorista estão todos apagados.

Segundo o Dnit, o custo mensal de uma barreira eletrônica varia de R$ 2.500 a R$ 2.800 reais. A assessoria do Dnit no Maranhão informou ainda que em caso de danos aos equipamentos, a empresa detentora do contrato é orientada a registrar um de ocorrência na Polícia Rodoviária Federal ou na Polícia Civil. Em caso de vandalismo que danifique o equipamento a empresa contratada tem um prazo de 30 dias para fazer a notificação, a partir da data em que for notificada. O Dnit também informou que conta com a colaboração da sociedade parta denunciar, mesmo que de forma anônima flagrantes de atos de vandalismo.


Mais Lidos