Duas comunidades no Ramal Maravilha estão na iminência de ficar isoladas. Pelo menos 150 famílias são monitoradas pela Defesa Civil Municipal.

Devido ao aumento do nível do Rio Madeira, que atingiu 15,6 metros nesta sexta-feira (9), uma família que reside no Ramal Maravilha, margem esquerda do rio, teve que ser retirada de casa para um abrigo provisório. Esta foi a primeira família a ser retirada de casa por causa do avanço do nível do rio.

Segundo o coordenador da Defesa Civil municipal, Marcelo Santos, a água chegou próximo ao assoalho da casa onde a família reside e já compromete a segurança do casal e das cinco crianças que habitam o local.

?Já sofremos com a invasão de sapos, cobras e até jacarés?, lamentou a dona de casa Rosangela Ramos da Vilva que, segundo ela, vive pela segunda vez o drama da alagação.

De acordo com Marcelo Santos, na enchente histórica de 2014, Rosângela e a família foram algumas das pessoas que ficaram desabrigadas devido ao avanço das águas do Madeira.

?Essa é uma das famílias que, embora estejam contempladas no programa de moradia da prefeitura, ainda sofrem com a enchente?, salientou Marcelo, acrescentando que o caso será repassado à Secretaria Municipal de Regularização Fundiária, Habitação e Urbanismo (Semur).

Enquanto o sonho de uma casa em local seguro não se concretiza, a família de Rosângela conta com apoio da prefeitura, para se alimentar, e de pessoas como a estudante Franciene Barros Amorim, que cedeu um espaço no terreno onde mora e uma casa para amparar os desabrigados.

?Fiz questão que essa família viesse morar aqui?, afirmou a estudante.

Primeira família é retirada de casa por causa da cheia do Rio Madeira

Segundo Marcelo Santos, a Defesa Civil vai ceder uma barraca, aos moldes dos assentamentos da ONU, e doará uma cesta básica para que a família se mantenha.

?A prefeitura vai ficar dando apoio a essa família o tempo que for necessário?, assegurou, alertando que outras 150 famílias são monitoradas pela Defesa Civil, na iminência de serem retiradas de seus lares devido o avanço do rio.


Mais Lidos

Publicidades