Representantes comerciais internacionais da China realizaram várias reuniões com seus pares nas principais economias europeias, enquanto Pequim busca apoio em sua briga comercial com os EUA, segundo a Agência Reuters.

O presidente dos EUA, Donald Trump, está ameaçando impor US$ 150 bilhões em tarifas sobre as importações chinesas. Autoridades de Pequim se reuniram com embaixadores da França, Alemanha, Reino Unido, Espanha e Itália na quinta e sexta-feira passada para propor "muro de proteção" contra o protecionismo de Trump, segundo a agência de notícias, citando várias fontes.

"A mensagem era que temos que nos unir contra o protecionismo dos EUA em favor do livre comércio", disse um diplomata europeu à Reuters.

"A China está mostrando confiança, mas internamente eles parecem bastante preocupados. Eles aparentemente subestimaram a determinação de Trump sobre o comércio", continuou, acrescentando que Pequim está nervosa com o fato de muitos dos parceiros comerciais da China poderem ficar do lado dos EUA.

Além de impor tarifas sobre os produtos chineses, o governo Trump também cobrou dos países europeus tarifas sobre as exportações de aço e alumínio para os Estados Unidos. Bruxelas disse que buscará indenização de Washington por meio da Organização Mundial do Comércio (OMC).

O déficit comercial dos EUA com a China ficou em US$ 375 bilhões em 2017. Muitos dos produtos importados são de fabricantes americanos, que enviam matérias-primas para a China devido à mão-de-obra barata. Quando as mercadorias são enviadas de volta para os EUA, elas são consideradas importações na balança comercial.