Os especialistas ucranianos aprenderam a interceptar dados de satélites militares russos, declarou o presidente ucraniano Pyotr Poroshenko ao canal Pryamoi.

Segundo o líder ucraniano, durante um combate em Donbass os militares ucranianos, com ajuda do reconhecimento militar, teriam conseguido "fazer chegar reservas a tempo e confrontar o inimigo". Isso "se tornou possível graças a especialistas em comunicações, tecnologias de satélites e decifração", acrescentou o presidente ao canal Pryamoi.

Entretanto, Poroshenko ressaltou terem sido interceptados dados de satélites militares russos, o que mostra que existe uma "escola forte" de tais tecnologias na Ucrânia.

O especialista militar russo Viktor Baranets, coronel na reserva, comentou a declaração de Pyotr Poroshenko ao serviço russo da Rádio Sputnik.

"Fazendo tal declaração, o presidente da Ucrânia mostrou mais uma vez um exemplo brilhante de cretinismo técnico-militar. Hoje em dia, as tecnologias ucranianas são possivelmente apenas capazes de interceptar alguns sons, sinais de satélite, mas não são, de maneira nenhuma, capazes de decifrá-los. Os próprios cientistas ucranianos reconhecem que a indústria militar deles está em decadência", opina especialista.

Para ele, cada palavra de Poroshenko hoje pode ser avaliada apenas no contexto da sua campanha eleitoral. Ele precisa de declarações que enviem alguns sinais positivos ao povo. Parece que a mentira e a fanfarronice estão se tornando um padrão populista dirigido para persuadir o eleitorado ucraniano de que a indústria militar ucraniana teria atingido êxitos notáveis durante o governo de Poroshenko. Mas a mentira nunca traz êxitos, nem prestígio, acrescenta Viktor Baranets.

"Parece-me que, sentindo bem as suas fracas posições políticas frente às próximas eleições, Poroshenko já perdeu a possibilidade de avaliar o que é real e o que é fantasia, não distingue a mentira que lhe é apresentada pelos conselheiros da verdade", afirma o analista. O engano político do próprio povo se torna um instrumento frequente, mas isso é um método barato que não ajuda a aumentar a popularidade política, mas, pelo contrário, a destrói, concluiu Viktor Baranets.

Nos últimos tempos, a Ucrânia tem problemas sérios com o desenvolvimento de novos armamentos e manutenção das armas já existentes. O seu único satélite de comunicação fabricado desde 2011 (Lybyad) permanece armazenado na Rússia.