Empresa de consultoria é suspeita de usar dados de mais de 50 milhões de usuários da rede social para influenciar eleitores americanos.

O órgão regulador encarregado da proteção de dados privados na Grã-Bretanha realizou nesta sexta-feira (23) uma batida na sede da empresa Cambridge Analytica, acusada de utilizar informações de milhões de usuários do Facebook sem seu consentimento.

A Information Commissionner's Office (ICO) foi autorizada a realizar a revista por um juiz da Alta Corte de Londres para "analisar os servidores" da Cambridge Analytica e "efetuar uma verificação de dados".

Ao todo, 18 agentes da ICO vasculharam a empresa na noite desta sexta.

A ICO investiga se a Cambridge Analytica, contratada pela campanha presidencial de Donald Trump em 2016, utilizou ilegalmente dados de mais de 50 milhões de usuários do Facebook para influenciar potenciais eleitores americanos.

"Trata-se apenas de parte de uma investigação, mais ampla, sobre a utilização de dados pessoais para finalidades políticas. Assim vamos poder recolher, avaliar e examinar os elementos de prova, antes de tirar conclusões", explicou um porta-voz da ICO.

O presidente da Cambridge Analytica, Alexander Nix, foi afastado de sua função, e o criador do Facebook, Mark Zuckerberg, se viu obrigado a pedir desculpas.

A Cambridge Analytica nega as acusações e afirmou nesta sexta que contratou uma auditoria para verificar que não mantém em seu poder qualquer dado de forma ilegal.


Mais Lidos