Diversos

Oniomania: como banir o consumo compulsivo da sua vida

Oniomania é o nome dado a uma doença que faz com que as pessoas comprem por impulso, sem ter nenhum tipo de necessidade em relação àquilo que adquirem.

São indivíduos que não resistem à pressão da compra, que têm muitos problemas e prejuízos financeiros e não se sentem culpados. Cerca de 3% das pessoas do mundo sofrem com esse problema, sendo mais comum em mulheres.

O consumidor enxerga as compras como uma forma de se satisfazer e suprir outras carências e angústias. Ou seja, ele compra para se sentir mais confortável psicologicamente.

Essas pessoas não se satisfazem com aquilo que compram, mas sim, com o ato de comprar. Só que ao longo do tempo, esse problema começa a prejudicar outras esferas da vida, principalmente os relacionamentos pessoais.

Vivemos em uma sociedade consumista e comprar é símbolo de status e poder. Muitas pessoas compram algum produto para que possam se encaixar em determinado grupo.

Outras compram por necessidade, mas existem aquelas que transformaram as compras em um grande problema psicológico.

Neste artigo, vamos explicar o que é oniomania, quais são os sintomas que ela apresenta, dar algumas dicas para evitar o consumismo excessivo e mostrar a importância de procurar um profissional.

Entenda o que é oniomania

Oniomania é uma condição em que a compra se torna um processo compulsivo na vida da pessoa, ou seja, ela passa a comprar compulsivamente, tanto em lojas físicas quanto em lojas virtuais.

Existem algumas pessoas que compram um pouco mais do que o normal, mas têm total controle sobre seus gastos e não compartilham emoções associadas à oniomania.

Por outro lado, o oniomaníaco utiliza as compras de diversos produtos e serviços, como mochila corporativa personalizada, para suprir emoções desconfortáveis.

Mas quem sofre com essa condição apresenta muitos episódios de ansiedade e depressão, diretamente relacionados com o ato de comprar.

Essa condição pode ser muito perigosa, tendo em vista que ao entrar nesse ciclo vicioso, vários problemas podem se desencadear.

Ela é reconhecida como um tipo de Transtorno do Controle dos Impulsos (TCI), assim como no caso de outras doenças, como a cleptomania.

Em países como os Estados Unidos, cerca de 8% das pessoas têm esse problema e um total de 90% delas são mulheres.

Hoje em dia, existe um argumento que diz que o transtorno de compra compulsiva pode ser definido como um vício. Tanto é que existem muitas semelhanças entre o comportamento de quem sofre desse problema e de quem utiliza substâncias psicoativas.

Isso inclui uma intensa compulsão pelo consumo, perda de controle sobre o próprio comportamento, além de dependência pessoal.

Quando alguém saudável compra algum produto ou serviço, como frutas secas para dieta, faz isso porque precisa dessa solução para algum objetivo.

Os compradores compulsivos, por sua vez, compram tudo o que veem pela frente e sofrem de angústia acentuada, principalmente ansiedade e depressão

O indivíduo se torna um oniomaníaco quando se preocupa frequentemente com a compra, tem impulsos irresistíveis na hora de comprar, compra itens desnecessários frequentemente e por períodos mais longos.

Também são pessoas que possuem problemas familiares por conta do excesso de compras, além, claro, de problemas financeiros.

Sintomas da oniomania

Antes de mostrar alguns sintomas dessa condição, é interessante dizer que indivíduos despreocupados ou até mesmo irresponsáveis com o manuseio do dinheiro não devem ser considerados como pilares dos compradores compulsivos.

A compulsividade é algo que envolve sintomas contínuos e profundos, que simplesmente são capazes de paralisar a vida da pessoa e até mesmo chega a retirá-la do convívio social.

Isso acontece porque o indivíduo passa boa parte de seu tempo idealizando aquilo que quer comprar ou comprando. Além disso, nem todo comprador compulsivo se reconhece com o problema, mas existem alguns sintomas comuns. São eles:

  • Comprar escondido;
  • Descontrole financeiro durante às compras;
  • Desejo insaciável de consumo;
  • Mudanças de humor;
  • Muita vontade de comprar;
  • Sensação de fracasso.

Várias pesquisas já mostraram que a compulsão por compras atinge cerca de 3% da população brasileira. Alguns produtos e serviços, como retífica de cabeçote, não fazem parte dos itens adquiridos pelas pessoas que sofrem com essa doença.

Geralmente, elas procuram outro tipo de aquisição, principalmente roupas e sapatos, mas o ímpeto de consumo acaba arruinando a vida financeira de qualquer um.

Por conta da internet, ficou ainda mais fácil comprar, afinal, com alguns cliques, qualquer pessoa adquire aquilo que deseja. O próprio sistema financeiro oferece diferentes opções de crédito, e muitas se transformam em armadilhas, favorecendo aqueles tem oniomania.

Para se ter uma ideia do nível em que esse problema pode chegar, algumas pessoas chegam a fazer empréstimos e oferecem o próprio imóvel como garantia e, consequentemente, acabam perdendo a propriedade.

Muitos compradores compulsivos compram escondido da família e escondem os objetos pela casa. Também sentem uma necessidade insaciável de comprar, inclusive itens que nem usa, fazendo do cartão de crédito uma arma.

Essas pessoas procuram totem mdf personalizado nas lojas para conhecer os produtos disponíveis, mas se ficam muito tempo sem comprar, começam a sentir os efeitos da abstinência.

As perturbações emocionais levam os oniomaníacos ao desespero, perda de autoestima e até mesmo consequências mais graves, como o suicídio.

Outro sintoma aponta que muitos sentem o desejo de comprar quando estão tristes ou sob pressão. Por conta disso, vários estudos médicos mostram que existe uma correlação entre comprar compulsivamente e o transtorno obsessivo-compulsivo.

As diversas patologias psíquicas fazem com que o comprador compulsivo desenvolva apego emocional e até mesmo se sinta mais seguro quando está comprando.

Por fim, acabam se sentindo decepcionados e impotentes diante de quadros de descontrole, na hora de se decidirem pela compra.

Como evitar o consumismo excessivo?

É muito normal precisar ir às compras, seja de insulfilm colorido para decorar a casa ou uma peça de roupa, sempre vamos sentir a necessidade de adquirir uma solução.

O problema começa quando as pessoas compram itens que nem mesmo precisam ou que, originalmente, não comprariam. Elas se endividam, prejudicam suas relações sociais e tentam suprir algum sentimento com o ato de comprar.

Mas existem algumas maneiras de evitar essa situação, salvar a saúde financeira do seu bolso e aliviar o sentimento de culpa provocado pelos gastos excessivos. Algumas dicas para isso são:

1 – Entender a razão por trás da compra

A primeira coisa que você precisa fazer é entender por que vai comprar determinado objeto e se está tomando decisões racionais na hora de comprar.

Ter inteligência emocional é fundamental porque o indivíduo consegue domar seus impulsos e comprar apenas aquilo que precisa, sem prejudicar o próprio orçamento.

Quando estiver diante da possibilidade de fazer uma compra, seja de embalagem stand up pouch personalizada ou qualquer outra opção, verifique a real necessidade e se realmente vai usar o produto.

2 – Estabelecer metas financeiras

O maior problema de comprar em excesso é que essa atitude afasta as pessoas de seus objetivos de vida e da saúde financeira.

Realizar um sonho que envolve dinheiro exige muita organização, equilíbrio e disciplina financeira. A pessoa precisa evitar as dívidas e poupar todos os meses, mas é impossível fazer isso gastando muito.

Ter um objetivo é uma forma de encontrar uma motivação para combater os gastos por impulso, e o planejamento deve envolver metas de curto, médio e longo prazo.

3 – Optar pelo consumo colaborativo

Se alguém precisa de urna funerária de luxo, pode procurar o consumo colaborativo, um sistema onde as pessoas alugam, emprestam ou trocam produtos e serviços, por isso, conseguem reduzir os gastos e deixar a posse de lado.

Venda tudo aquilo que não utiliza mais, prefira a locação ao invés da compra, compartilhe espaços ociosos e procure por outras possibilidades econômicas e sustentáveis.

4 – Planejar as compras

Planejar aquilo que você precisa comprar é uma forma de combater o consumismo exacerbado e reduzir as compras por ansiedade.

Se você sair de casa com o pensamento de que só vai comprar uma bolsa personalizada para loja, vai evitar gastar mais e não se sentirá culpado.

Assim como temos o hábito de levar uma lista ao supermercado e calcular os preços, conforme algum produto é colocado no carrinho, faça a mesma coisa com tudo aquilo que deseja comprar.

Além disso, saia de casa apenas com a quantia de dinheiro que deseja gastar, assim, não terá problemas com o cartão de crédito.

Considerações finais

Nada é mais importante para uma pessoa que sofre com oniomania do que procurar um profissional qualificado. Se o indivíduo percebe que a situação saiu totalmente do controle e que não consegue lidar com os seus impulsos, precisa de um psicólogo.

Este profissional está preparado para compreender o que está acontecendo em sua vida, diagnosticar alguma condição, e com isso iniciar um tratamento que vai eliminar o problema.

Isso traz mais qualidade de vida, segurança, autoestima e ainda favorece as relações pessoais de quem sofre com o consumo excessivo.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo