Especialistas ouvidos pelo G1 analisam razões pelas quais partidos não conseguem completar a chapa para a disputa presidencial. Último dia para definição é o próximo domingo (5).

A quatro dias do prazo final para a definição das chapas, a maioria dos postulantes à Presidência da República ainda não conseguiu um vice para disputar a eleição em outubro.

Os partidos têm até este domingo (5) para realizar as convenções nacionais nas quais serão definidos os candidatos, as alianças com outras legendas ou até mesmo a neutralidade na disputa presidencial. O prazo para registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) das chapas definidas até domingo é o próximo dia 15.

Para especialistas ouvidos pelo G1, trata-se de algo inédito. Entre os motivos, eles apontam cenário eleitoral indefinido; receio de exposição ao lado de políticos envolvidos em escândalos; pragmatismo (alguns potenciais vices não querem trocar uma possível reeleição como deputado ou senador por uma campanha majoritária incerta).

Até esta quarta-feira (31), têm chapas completas somente

  • PSOL (presidente Guilherme Boulos; vice Sonia Guajajara)
  • PSTU (presidente Vera Lúcia; vice Hertz Dias)
  • Democracia Cristã (presidente Eymael; vice Pastor Helvio Costa).

Ciro Gomes (PDT), Jair Bolsonaro (PSL) e Paulo Rabello de Castro (PSC) já foram oficializados por seus partidos como candidatos a presidente. Mas ainda correm contra o tempo para definir um vice até domingo.

Geraldo Alckmin (PSDB), Henrique Meirelles (MDB), Lula (PT), Manuela D?Ávila (PCdoB), Marina Silva (Rede) e Álvaro Dias (Podemos) ainda se encontram na condição de pré-candidatos, aguardando oficialização das candidaturas no fim de semana. Todos estão em busca de um vice.

Camarotti: indefinição de vices virou problema de candidatos

Pelo menos três postulantes à Presidência já ouviram "não" como resposta a convites para preencher as vagas de vice.

Em geral, explicam especialistas, um vice deve agregar à campanha algum diferencial em relação ao cabeça da chapa. Podem ser recursos para financiar a campanha ou potencial de votos em determinado setor ou região do país.

Para um dos coordenadores da campanha de Jair Bolsonaro, o deputado Major Olímpio (PSL-SP), os cenários regionais dificultam as coligações.

Ele lembrou que Bolsonaro chegou a discutir o apoio do PR, mas o partido acabou fechando com Alckmin no pacote do ?Centrão?. Segundo Olímpio, palanques estaduais impediram o acordo.

O presidente do PDT, Carlos Lupi, diz acreditar que o principal empecilho para a definição dos vices são as negociações ainda em andamento das coligações.

"Você não tem vice se não tem o partido. Primeiro, tem que ter o partido para depois ter vice", declara Lupi. Segundo ele, a definição do vice de Ciro Gomes será somente no domingo, último dia do prazo.

A coordenadora do bacharelado em Ciência Política da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), Márcia Dias, avalia que a dificuldade dos presidenciáveis em definir um vice é um detalhe periférico de uma crise profunda da democracia brasileira.

"A dificuldade na escolha do vice é somente a ponta do iceberg de uma crise sem precedentes que foi causada por uma série de fatores que questionaram a democracia. A democracia está questionada no Brasil. Ela não está sólida, está em seu ponto máximo de fragilidade", afirma a professora, especialista em estudos eleitorais e partidos políticos.

Ibope divulga em junho pesquisa com intenções de voto para a Presidência da República

Especialistas interpretam

Veja abaixo alguns motivos apontados por cientistas políticos entrevistados pelo G1 para a dificuldade dos presidenciáveis de encontrar vices:

  • Fator Lula - A incerteza sobre a presença de Lula na disputa presidencial dificulta a definição do vice pelo PT e pelos demais partidos, dizem os cientistas políticos ouvidos pelo G1. Embora Lula esteja preso e possa ser impedido pela Justiça de disputar a eleição, a cúpula do PT mantém a estratégia de oficializar e registrar a candidatura e de afirmar que não há ?plano B?. Para Eduardo Grin, cientista político e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), a insistência em bancar o nome de Lula afastou aliados históricos do PT, como o PCdoB. ?Levar ao limite a candidatura de Lula é uma estratégia arriscada. Uma coisa é coligar com Lula e o PT, outra coisa é coligar com o PT sem Lula?, diz Grin. Professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a cientista política Maria do Socorro Braga afirma que a estratégia petista atrasou a definição de vices e coligações. ?Como o espectro ideológico de muitos partidos é elástico, ficam todos esperando o que o líder nas pesquisas vai fazer. Isso também atrapalhou Alckmin e Bolsonaro?, observa a professora.
  • Pesquisas eleitorais - Com o cenário indefinido, aumenta o risco para um vice que apostar em presidenciável que patina nas pesquisas. ?Os resultados das pesquisas acabam tendo reflexo na escolha do vice. Se o candidato não deslancha, outros partidos temem apoiá-lo?, diz a professora Maria do Socorro Braga. Alckmin não passou de um dígito nas pesquisas, mas obteve apoio dos partidos do chamado ?Centrão?. Ele aposta no tempo de TV que a coligação proporcionará. ?Alckmin conseguiu o apoio do 'Centrão', então terá tempo de TV, recursos e capilaridade. Agora, terá de explicar a aliança com um grupo de partidos que tem integrantes entre alvos da Lava Jato?, adverte a cientista política da UFSCar.
  • Pragmatismo - Eduardo Grin diz que as alianças são cada vez mais pragmáticas, na busca de certeza de participação em um próximo governo e na construção de palanques competitivos nos estados. Bolsonaro e Marina são filiados a partidos com pouco tempo de TV, que recebem fatias menores de fundo partidário e fundo eleitoral. Na avaliação de Grin, se o desempenho nas pesquisas não atraiu partidos tradicionais é porque as siglas apostam que as duas candidaturas não terão sucesso.
  • Efeito Temer - O impeachment de Dilma Rousseff em 2016, com apoio do então vice-presidente Michel Temer, alertou neste ano os presidenciáveis para a necessidade de buscar um parceiro de chapa ?confiável?, acreditam os especialistas. ?É possível dizer que esse histórico recente gerou um 'efeito Temer', que é a busca por um vice confiável. No caso de Dilma, ficou evidente que é possível encontrar razões jurídicas para um impeachment, ainda que a decisão seja política?, disse Eduardo Grin. Na visão do professor da FGV, será difícil encontrar perfis ?discretos e comportados? como os de Marco Maciel e José Alencar, vices de Fernando Henrique e Lula. ?Existe a preocupação se o vice será um companheiro de chapa ou se no futuro poderá ser um opositor e criar problemas, buscando maioria no Congresso para afastar o antigo companheiro?, destaca a professora Maria do Socorro.
  • Prioridade para a reeleição - Parte dos deputados e senadores prefere priorizar a reeleição ao Legislativo a se aventurar como candidatos a vice. Sem financiamento de empresas para as campanhas, com maior peso dos fundos partidário e eleitoral, o interesse para indicar um vice diminuiu, em especial se a legenda tiver que injetar recursos na campanha majoritária. Os partidos que apoiam presidenciáveis preferem canalizar recursos para eleições nos estados de governo ou Câmara.
  • "Outsiders" desistem - As negativas de nomes de fora da política para integrar uma chapa presidencial como vice sinaliza um receio de manchar suas biografias, analisa a cientista política Márcia Dias. "Os presidenciáveis estão com medo de quem escolher, mas também as pessoas que não têm manchas na política não estão querendo correr o risco manchar seus nomes com processos que podem vir a comprometê-las", diz.

Vices no comando

Veja abaixo casos de vices que assumiram o mandato do presidente eleito:

  • João Goulart (1961-1964) - Em uma época em que os eleitores brasileiros votavam separadamente para presidente e vice, o gaúcho Jango ? afilhado político de Getúlio Vargas ? foi eleito duas vezes para a Vice-Presidência. Em 1955, ele teve mais votos do que Juscelino Kubitschek, que foi eleito presidente. Na eleição de 1960, Jango foi eleito vice de Jânio Quadros. No ano seguinte, o gaúcho assumiu a Presidência com a renúncia de Jânio, porém, foi destituído do cargo três anos depois por um golpe militar.
  • José Sarney (1985-1990) - Ex-governador do Maranhão, foi senador durante o regime militar. Filiado à Arena, partido pró-regime, migrou para o MDB para ser o vice de Tancredo Neves na eleição indireta de 1985. Com a morte de Tancredo às vésperas da posse, Sarney acabou assumindo o poder. O governo Sarney (1985 a 1990) foi marcado pela superinflação e pelo desabastecimento de produtos. Durante a gestão dele, foi proclamada a Constituição de 1988.
  • Itamar Franco (1992-1994) - Ex-prefeito de Juiz de Fora (MG), foi eleito vice-presidente na chapa de Fernando Collor (PRN), em 1989, na primeira eleição com voto direto após a ditadura. Itamar assumiu o Planalto em 1992, após Collor renunciar para tentar se livrar de um impeachment. No mandato de Itamar, entrou em vigor o Plano Real. Após deixar a Presidência, Itamar foi embaixador em Lisboa e Roma, governou Minas Gerais e voltou ao Senado. Morreu em 2011.
  • Michel Temer (2016-2018) - Um dos principais caciques do MDB, Temer se elegeu vice pela primeira vez em 2010, ao lado de Dilma. À época, além de comandar a sigla, presidia a Câmara. Com o poder que concentrava, impôs ao PT o próprio nome para vice. No primeiro mandato, teve papel discreto, porém, no segundo saiu em busca de votos para o impeachment após romper com o PT. Assumiu a Presidência em 2016 e decidiu não disputar a reeleição neste ano por conta da baixa popularidade.

Mais Lidos