Diversos

Projetando um jardim: plantas, dimensões e clima

Como projetar um jardim? Parece mais fácil falar do que fazer, pois há muitos aspectos que precisam ser levados em conta nessa atividade. Isso não significa, no entanto, que mesmo quem não tem habilidades ou experiência especial não possa criar um: o importante é respeitar alguns pontos que permitem criar um resultado harmonioso e equilibrado, criando um espaço que pode ser apreciado em qualquer condição. 

Leve em consideração o clima 

O clima é um dos primeiros fatores que devem ser considerados, a fim de selecionar as espécies de plantas que melhor se adaptam à temperatura e às chuvas. Será útil, além disso, identificar os pontos mais sombreados e as áreas mais ensolaradas do jardim, para obter uma distribuição correta das plantas. 

Além disso, não se pode deixar de prestar atenção à presença de arcadas e terraços, o acesso à casa, eventuais vedações, poços e sobretudo a existência e localização das tomadas de água, essenciais para a construção de um sistema de rega fiável. 

Em primeiro lugar, o projeto da casa e do jardim deve ser desenhada em uma folha de gráfico, destacando o perímetro do terreno que será usado como jardim. Deixe o espaço livre à imaginação: por exemplo, o jardim não precisa necessariamente estar em uma posição plana, ou deve ter uma forma quadrada retangular. 

Escolha com base no espaço disponível

Tomando, como referência o espaço disponível, também é aconselhável, para superfícies bastante grandes, dividir a área em zonas às quais serão atribuídas diferentes funções. 

Por exemplo, um projeto de casa com espaços amplos pode ser dedicado a jogos para crianças, com balanço e escorrega, enquanto outro canto, talvez uma zona pavimentada, será utilizado para a cozinha, podendo criar um projeto area gourmet

Se o tamanho permitir, não pode faltar uma área de relaxamento com mesas e bancos à sombra. Por outro lado, quem não tem um espaço grande o suficiente não sentirá a necessidade de dividir o jardim em zonas, mas ele terá que avaliar cuidadosamente a localização das árvores e das pedras para explorar a superfície da melhor maneira possível. 

Um jardim esteticamente agradável e prático também pode encontrar um lugar em uma área de cinquenta metros quadrados: não é certo que haja a necessidade de áreas ilimitadas, desde que, é claro, exclua a presença de árvores e plantas de dimensões grandes. 

Por isso, as espécies de arbustos devem ser escolhidas. O maior cuidado também deve ser dado ao piso: terracota, seixos, cascalho ou pedras, de acordo com os gostos e necessidades (por exemplo, na presença de crianças pequenas, será aconselhável focar no cascalho ou na areia). 

Um elemento a ser avaliado, também do ponto de vista da praticidade, são os recipientes das plantas, os vasos. É bom lembrar, que um vaso de plástico, embora mais leve e mais fácil de movimentar do que um vaso de terracota, tem funcionalidade reduzida, não garantindo a mesma proteção e o mesmo nível de drenagem.

Em um espaço confinado, será possível focar nas plantas trepadeiras, para não abrir mão da vegetação sem comprometer os espaços. Você também pode criar ângulos com diferentes espécies, para dar uma impressão de maior profundidade aumentando a perspectiva. 

A escolha de plantas, arbustos, e árvores (sejam frutíferas ou não) deve ser avaliada com a máxima atenção: o salgueiro e a bétula são considerados espécies duradouras e valiosas, mas devem ser reservadas para grandes espaços. Por outro lado, você nunca erra ao se concentrar em sempre-vivas, como magnólia, oliveiras e coníferas em geral. 

O jardim minimalista: poucas plantas, espaço para formas e linhas geométricas

Quem quiser se concentrar em uma escolha alternativa, também pode optar pelo chamado jardim minimalista. É um espaço em que o número de espécies vegetais presentes é drasticamente reduzido, pois o foco está no jogo de proporções e dimensões entre os elementos.

Árvores como a mandioca e o agave são escolhidas para favorecer a afirmação de formas lineares e geométricas, são as folhas dessas duas plantas.

Alternativamente, o foco é em árvores com porte regular, como populus e ciprestes, que também são apreciados porque exigem podas muito limitadas. Num jardim mínimo, não pode faltar um pátio pavimentado, isento de sebes e arbustos, de forma a realçar a arquitetura do edifício.

Como projetar um jardim: conclusão

Em conclusão, a decisão de como projetar um jardim envolve uma série de parâmetros que devem ser levados em consideração: em primeiro lugar, o tipo de plantas a serem utilizadas, consequência direta do clima; e depois quaisquer acessórios (mesas, cadeiras, jogos para crianças, gazebos, etc.) e uma subdivisão dos espaços disponíveis.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo